domingo, 3 de junho de 2018

MÚSICA

Piazzola interpreta Adiós Nonino   


A canção "Adiós Nonino" foi feita em homenagem ao seu pai, quando este estava no leito de morte. Após vinte anos, Astor Piazzola diria “Talvez eu estivesse rodeado de anjos. Foi a mais bela melodia que escrevi e não sei se alguma vez farei melhor"Por muito tempo recusou escrever ou colocar uma letra na sua grande obra-prima, porém, aceitou a proposta da cantora argentina Eladia Blázquez, que lhe apresentou um poema que havia escrito sob a versão musical, e ele, comovido, concordou. 

Filho dos italianos Vicente Piazzolla e Asunta Manetti, Astor Piazzolla nasceu em Mar del Plata, Argentina e aos quatro anos foi com a sua família viver em Nova York em busca de melhores condições de vida. Em seu período estadunidense, além do espanhol, tornou-se fluente em inglês, italiano, francês e iniciou seu interesse pela música. Em 1929 ganhou seu primeiro bandoneón de seu pai, e em 1933 começou a tomar aulas de piano com Bela Wilde, um pianista húngaro discípulo de Sergei Rachmaninoff. Foi em Nova York que o jovem Astor conheceu o cantor argentino de tango Carlos Gardel, enquanto este estava na cidade para rodar o filme El Día Que Me Quieras, onde atuou como um garoto entregador de jornais.


Adios Nonino

Desde una estrella al titilar...
Me hará señales de acudir,
Por una luz de eternidad
Cuando me llame, voy a ir.
A preguntarle, por ese niño
Que con su muerte lo perdí,
Que con "nonino" se me fué ...
Cuando me diga, ven aquí ...
Renaceré ... porque...
Soy...! la raíz, del país que amasó con su arcilla,
Soy...! sangre y piel, del "tano" aquel, que me dió su semilla...
Adiós "nonino" ... que largo sin vos, será el camino.
Dolor, tristeza, la mesa y el pan...!
Y mi adiós... ay...! mi adiós, a tu amor, tu tabaco, tu vino.
Quién...? sin piedad, me robó la mitad, al llevarte "nonino"...
Tal vez un día, yo también mirando atrás...
Como vos, diga adiós... no vá más...!
(recitado)
Y hoy mi viejo "nonino" es una planta.
Es la luz, es el viento y es el río...
Este torrente mío lo suplanta,
Prolongando en mi ser, su desafío.
Me sucedo en su sangre, lo adivino.
Y presiento en mi voz, su proprio eco.
Esta voz que una vez, me sonó a hueco
Cuando le dije adiós... adiós "nonino".
Soy...! la raíz, del país que amasó con su arcilla,
Soy...! sangre y piel, del "tano" aquel, que me dió su semilla...
Adiós "nonino" ...! dejaste tu sol, em mi destino.
Tu ardor sin miedo, tu credo de amor.
Y ese afán... ay...! tu afán, por sembrar de esperanza el camino.
Soy tu panal y esta gota de sal, que hoy te llora "nonino".
Tal vez el día que se corte mi piolín,
Te veré y sabré ... que no hay fín.

Adios Nonino

De uma estrela a cintilar ...
Eu ficarei com sinais,
À luz da eternidade
Quando eu chamar, irei.
Para pedir que a criança
Com sua morte eu o perdi,
Com o "Nonino" Eu estava ...
Quando eu digo, venha aqui ...
Renascer ... porque ...
Eu sou ...! raiz do país, que fez sua argila,
Eu sou ...! sangue e pele, o "metano" que, ele me deu sua semente ...
Good-bye "Nonino" ... tanto tempo sem você, vai liderar o caminho.
Dor, a tristeza, a tabela eo pão ...!
E o meu adeus ... ay ...! meu adeus, seu amor, seu rapé, o seu vinho.
Que ...? cruelmente roubou minha metade a tomar "Nonino" ...
Talvez um dia, eu olho para trás ...
Assim como você, dizer adeus ... não vai ...!
(Recitação)
E hoje meu velho "Nonino" é uma planta.
É leve, o vento eo rio ...
Este substitui o fluxo de mina,
Estendendo meu ser, o seu desafio.
Acontece-me no sangue, eu acho.
E eu me sinto na minha voz, o seu próprio eco.
Esta voz que uma vez que soava oco
Quando eu disse adeus ... bye "Nonino".
Eu sou ...! raiz do país, que fez sua argila,
Eu sou ...! sangue e pele, o "metano" que, ele me deu sua semente ...
Good-bye "Nonino" ...! deixe o seu dom, emprega meu destino.
O seu ardor destemido, o seu credo de amor.
E que o desejo ... ay ...! o seu desejo, para semear esperança na estrada.
Eu sou o seu favo de mel e essa queda de sal, agora você chorar "Nonino".
Talvez no dia em que cortei meu string,
Eu vou ver e saber ... não tem fim.

sexta-feira, 1 de junho de 2018

CAFÉ FILOSÓFICO CPFL - 15 ANOS


Primeiro e mais longevo programa dedicado à difusão do conhecimento sobre as questões que impactam a vida das pessoas no mundo contemporâneo, o Café Filosófico CPFL celebra 15 anos ininterruptos de atividades.
Programe-se para assistir online ao módulo de junho:

adolescentes e adultos: tudo fora do eixo, com Diana e Mário Corso



Cultura - Pesquisa

Duas extensas e atualizadas pesquisas americanas sobre investimento e percepção da cultura na sociedade e no ambiente corporativo.

Contribuição dos negócios para as artes - Relatório 2017

Americanos falam sobre arte: percepções e atitudes sobre arte




FBDC - Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais completa 3 anos de atividades

O Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais foi criado em junho de 2016, e hoje conta com mais de 160 instituições de vários estados do país. O grupo reúne organizações, coletivos, gestores e associações representativas do setor cultural. O Fórum é um movimento multissetorial, colaborativo e propositivo.

Visite o site e conheça o Fórum

Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais

ARTE É BOM PARA OS NEGÓCIOS

Excelente artigo (em inglês) sobre as vantagens do investimento em arte para a sociedade e para as empresas. Escrito pela jornalista e crítica Shellie Karabell e publicado no site strategy+business, da Consultoria PWC. 
Leia aqui

Retomo postagens depois de 18 meses. A intenção é manter regularidade e periodicidade no mínimo semanal.