terça-feira, 30 de setembro de 2014

Preservação e Memória de Acervos Históricos

Primeira edição do preserva.me  apresenta case da CPFL, vencedor do Prêmio Aberje Nacional de Responsabilidade Histórica e Memória Empresarial (2013)


Participação de equipe da CPFL Cultura


16 de Outubro de 2014
UNISE ELETROBRÁS
Rio de Janeiro - RJ

Slide 6

domingo, 21 de setembro de 2014

ARQUITETURA

No Império do "fake": Universidades chinesas tentam se parecer com escolas da "Ivy Leaque" americana

China copia arquitetura das universidades americanas que, por sua vez, no século XIX, copiaram o estilo de construção dos colleges ingleses em busca de legitimidade para sua nascente academia. Novos alunos do campus chines de Ningbo, que tem uma réplica da torre do relógio de Nottingham, Inglaterra, foram recebidos neste semestre com uma festa cujo tema foi... Harry Porter.
Arquitetura "fake" e ficção infanto-juvenil serão as chaves para o sucesso acadêmico?
Leia íntegra no site da revista The Atlantic




GLOSSÁRIO DE GESTÃO CULTURAL


Nesta seção serão publicados, aleatoriamente e sem periodicidade definida, conceitos, definições e termos do campo da arte, da cultura e da gestão cultural. A fonte deste post é a 2ª Edição, revista e ampliada do Dicionário Crítico de Política Cultural do professor Teixeira Coelho (iluminuras, 2012)



Produto cultural
Sumário: produto cultural, bem cultural, fungibilidade do produto cultural.
Termos relacionados: bem artístico, patrimonialismo, mercado simbólico.

Tratados regionais de integração econômica e cultural definem os produtos culturais como aqueles que expressam idéias, valores, atitudes e criatividade artística e que oferecem entretenimento, informação ou análise sobre o presente, o passado (historiografia) ou o futuro (prospectiva, cálculo de probabilidade, intuição), quer tenham origem popular (artesanato), se tratem de produtos massivos (discos de música popular, jornais, histórias em quadrinhos) ou circulem por público mais limitado (livros de poesia, discos e cds de música erudita, pinturas). Embora desta definição participem conceitos vagos, como "ideias" e "criatividade artística", ela exprime um consenso geral sobre a natureza dos produtos culturais.

Uma distinção cabe ser feita entre produto cultural e bem cultural. Este vincula-se à noção de um patrimônio pessoal ou coletivo e designa, em princípio, por seu valor simbólico, algo infungível, isto é, algo que não poderia ser trocado por moeda. Mesmo que na origem tenha sido eventualmente um produto - como um retrato de grupo encomendado por médicos a um pintor -, circunstâncias de variada natureza transformaram-no em algo especial, fora do mercado. A Torre Eiffel é um bem cultural, como a Catedral de Brasília ou a pintura de Pedro Américo que representa a independência do Brasil, e não um produto. Napoleão levou para França, como resultado de suas campanhas militares, tesouros artísticos que constituíam bens culturais das nações pilhadas, muito mais do que simples produtos. Telas como as pintadas por Van Gogh ou Rembrandt, bem como a Capela Sixtina, de autoria de Michelangelo, conquistaram o estatuto de bens culturais. Na atualidade, porém, sabe-se que a maioria desses bens pode ter seu valor traduzido em moeda, o que acaba de algum modo por transformá-los em produtos (commodities) culturais ou por apontar para o definhamento crescente da ideia de bem cultural.

Referência:
Canclini, N.G.; Niebla, G.G (coords.). La educación y la cultura ante el tratado de libre comercio. Méxixo: Nexos/Nueva imagem, 1992

MOSTRAS




Paris recebe de 23 a 26 de outubro de 2014 a 40ª edição da FIAC - Feira Internacional de Arte Contemporânea. 

Assista aqui ao ótimo vídeo de divulgação/convite no site oficial da mostra de 2014 e navegue pela playst com entrevistas e vídeos de outras edições. 



Ranking de Museus

(indicação de Luna Lobão)

Pesquisa Internacional publicada na semana passada aponta 2 museus brasileiros entre os 25 melhores do mundo: o Instituto Ricardo Brennand, em Recife (PE), em 17° lugar, à frente do Louvre (19°), e Inhotim, em Brumadinho (MG), 23° da lista. 
O primeiro lugar geral coube ao Instituto de Artes de Chicago. (foto)
Existe, também, uma lista dos 10 melhores da América do Sul. Nesta, o Brasil entra com 6 instituições, sendo 3 de São Paulo: o Museu da Língua Portuguesa, a Pinacoteca do Estado e o Museu do Futebol. 

Para mim, o mais interessante é a origem da pesquisa. O levantamento não foi feito por alguma instituição cultural ou acadêmica, mas pelo site de viagens e turismo Trip Advisor, apontando uma ligação direta entre serviços culturais e turismo. Lembro-me que, já em 2008, Eduardo Nivón Bolán, da Universidade Autônoma Metropolitana do México, em seminário no Observatório Itaú Cultural, destacava a importância da relação turismo e museus para o México. Informou que as autoridades mexicanas faziam gestões junto às operadoras internacionais de turismo para que aumentassem em um dia a duração dos pacotes turísticos para o país. Esse dia extra, segundo ele, traria um incremento significativo para a renda do turismo interno, ao permitir a visita aos diversos museus mexicanos, inclusive o Museu Nacional de Antropologia, na Cidade do México, segundo colocado na lista geral. Veja nova foto abaixo. A foto postada anteriormente estava errada: não era do Museu de Antropologia, segundo Angela Azevedo e Ricardo Moretti, que estiveram no Museu. Obrigado aos dois pela correção.


domingo, 14 de setembro de 2014

COMUNICAÇÃO

Redes Sociais

Empresas de produtos de consumo, ou com grande  necessidade de relacionamento com os consumidores, há muito já provaram o valor de sua presença nas redes sociais. Mas e quanto às empresas e organizações que basicamente negociam com outras empresas (B2B)? Será que para elas o investimento nas redes sociais também pode ser efetivo? A especialista em redes sociais da Dell, Namrta Ragvendra, defende que sim:

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

PALESTRAS E CURSOS

Segue link para matéria de cobertura de palestra sobre primeiros meses de implantação do Vale Cultura
Palestra em Araraquara: Vale Cultura

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

O Globo, Caderno Prosa & Verso 28 /12/2002






MEMÓRIA VISUAL

Vinícius de Moraes, Nelson Rodrigues e Otto Lara Resende . Década de 1950, IMS





POLÊMICA

JF Diorio/Estadão
Duas grandes mostras de artes visuais recém abertas em São Paulo provocaram críticas e deverão manter acesa a polêmica sobre as dimensões da arte contemporânea. A primeira é Made by.... brasileiros que, segundo Fabio Cypriano (Ilustrada) parece apenas disfarçar um grande projeto imobiliário.
A segunda é a tradicional Bienal de São Paulo, que em sua 31ª edição aposta na política explícita e teve até carta dos artistas expositores reclamando o apoio de Israel. (matéria de Antonio Gonçalves Filho no Estadão).

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Vídeo: Como Nasce um Livro


Um pequeno vídeo de um livro sendo criado usando métodos tradicionais de impressão. Indicação de Cristiane Costa 



Café Filosófico com Leandro Karnal


orgulho nosso de cada dia, com leandro karnal (versão tv cultura)

orgulho nosso de cada dia
com leandro karnal
“o orgulho é a fonte de todas as fraquezas, por que é a fonte de todos os vícios.”
este pensamento de santo agostinho parece não ser mais levado em tanta consideração. pois, a vaidade parece estar cada vez mais em alta nesta sociedade, onde o individualismo e o “empreendedorismo” passaram a ser metas, valores, fortemente estimulados.  aquele que já foi visto como o maior e o primeiro dos pecados capitais por seus atributos maléficos – o orgulho – hoje virou  virtude. disfarçada e rebatizada de autoestima, a vaidade é  agora “amor próprio”. este programa abre a série do café filosófico que traz os “7 prazeres capitais – pecados e virtudes hoje”, com a curadoria e apresentação do historiador leandro karnal.

VIDEO: Livros Artesanais 

Segunda edição da Coleção Livros Artesanais da Arte & Letra. 

Livros de Dalton Trevisan, Cristovão Tezza e Luiz Ruffato em edições feitas à mão, em tipografia, xilogravura e encadernação manual. São tiragens limitadas de 250 exemplares numerados.

Sugestão de William Sodré

Glossário de Gestão Cultural


Nesta seção serão publicados, aleatoriamente e sem periodicidade definida, conceitos, definições e termos do campo da arte, da cultura e da gestão cultural. A fonte deste primeiro post é o site do Itaú Cultural. No futuro, outras fontes e referências poderão ser utilizadas.


Identidade Cultural*

Termos relacionados: Política cultural, ação cultural, direitos culturais, diversidade cultural.
Equivalência em outras línguas: Cultural identity; identidad cultural.

Identidade cultural é um processo dinâmico, de construção continuada, que sistematiza relações entre indivíduos e grupos e envolve o compartilhamento de patrimônios comuns, tangíveis e intangíveis, como a língua, a religião, as artes, o trabalho, os esportes e as festas, entre outros. Em decorrência do processo de globalização, as identidades, hoje, não apresentam contornos definidos, inserindo-se em uma dinâmica cultural fluida e mutante. Tal processo intensificou os intercâmbios entre diferentes indivíduos e culturas, ampliando o diálogo e as tensões entre eles. A diversidade cultural que o mundo apresenta hoje, as múltiplas e flutuantes identidades em processo contínuo de construção, a defesa do fragmentário, das parcialidades e das diferenças trouxeram, como corolário, uma volatilidade das identidades que se inscrevem em outra lógica: da lógica da identidade para a lógica da identificação.
Na Agenda 21 da Cultura – documento orientador das políticas públicas de cultura e que contribui para o desenvolvimento cultural da humanidade – o papel protagonista das cidades é sublinhado como espaço de construção de uma cidadania efetivamente democrática, em que a troca cotidiana entre diferentes sujeitos, portadores de múltiplas identidades, realiza-se na interseção entre o local e o global. Esse documento inova ao reconhecer que a identidade cultural de todo indivíduo é dinâmica, em contraposição à noção da rigidez das identidades. Enfatiza também o diálogo entre identidade e diversidade, indivíduo e coletividade como ferramenta vital para garantir não apenas a sobrevivência da diversidade linguística e o desenvolvimento das culturas mas, sobretudo, para garantir uma cidadania cultural planetária em que todos tenham direito a afirmar suas identidades e experimentar novas, ampliando os processos de convivência e interculturalidade.
Para Gerardo Caetano, o patrimônio, concebido como instrumento de política cultural, deve ser pensado hoje de forma mais ampla, não como um ‘dom’ de um passado ancestral intocável, incentivador de fundamentalismos, mas por meio de uma visão mais refinada, permitindo que a sociedade crie formas inovadoras de se apropriar da história e da memória coletiva, tema fundamental para pensar as identidades culturais, colocando em xeque a noção de identidade nacional que pautava a vida dos habitantes enraizados em territórios geográficos delimitados.
* Verbete escrito por Liliana Sousa e Silva e Lucia Maciel Barbosa de Oliveira, pesquisadoras do Observatório Itaú Cultural.
Link para o original:  Identidade Cultural

Bibliografia

Agenda 21 da Cultura. In: Revista Observatório Itaú Cultural/OIC – n.1 (jan./abr.2007). São Paulo, SP: Itaú Cultural, 2007, p. 53-63.
CAETANO, Gerardo. Cultura, desenvolvimento e política. In: Revista Observatório Itaú Cultural/OIC – n. 2 (mai/.ago.2007). São Paulo, SP: Itaú Cultural, 2007, p. 39-49.
COELHO NETTO, José Teixeira. Dicionário crítico de política cultural. SP: Iluminuras/Fapesp, 1997.

Revista Observatório Itaú Cultural nº1 

2007

Expediente

Editor: Mário Mazzilli

Editora-Assistente: Rosane Pavan

Projeto Gráfico: Calu Tegagni

Colaboradores desta edição:
Teixeira Coelho
Octavio Getino
Paul Tolila
Eduardo Saravia
[Esta revista foi produzida
pela equipe do Itaú Cultural]

Teixeira Coelho e Indicadores Culturais

Teixeira Coelho - Indicadores Culturais - Reflexão e Experiências (2007)

Publicado em 02/05/2012
Exposição de Teixeira Coelho no encontro de pesquisadores, realizado pelo Observatório Itaú Cultural em 12 de novembro de 2007, com o tema "Indicadores Culturais -- Reflexão e Experiências". O evento centrou-se nas especificidades que envolvem a produção de indicadores culturais no Brasil -- seus limites, dificuldades e eficácia.

Teixeira Coelho - Professor titular da Universidade de São Paulo, curador do Museu de Arte de São Paulo (Masp) e consultor do Observatório Itaú Cultural.

O Futuro do Trabalho FAST COMPANY

Por que ainda não temos uma semana de 4 dias de trabalho?

Em 1930, o economista John Maynard Keynes previu que por volta de 2030 os avanços tecnológicos iriam permitir às pessoas trabalharem apenas 15 horas por semana. É improvável que a previsão de Keynes se torne realidade até lá, mas talvez já exista uma forma diferente de organizar nossa semana de trabalho.

WHY WE STILL DON'T HAVE A FOUR-DAY WORKWEEK

WHERE DID OUR FIVE-DAY WORKWEEK COME FROM ANYWAY? AND WHEN WILL THREE-DAY WEEKENDS BECOME THE NORM?

Midias Sociais. Qual é a sua política?

Social Media: Whats your Policy?

domingo, 7 de setembro de 2014


Artigo: Estado e Empresas Privadas - Novos papéis no campo da cultura
Por Mário Mazzilli
Publicado no site Cultura e Mercado, Agosto 2014

Nos últimos 25 a 30 anos, tanto o Estado quanto empresas viram seus papéis se transformarem drasticamente. Seja pelas limitações do Estado, seja pela necessidade das empresas de se adaptarem às novas exigências do mercado e dos cidadãos, o que se observa é uma reconfiguração radical na distribuição dos papéis sociais entre os setores público e privado...
http://www.culturaemercado.com.br/pontos-de-vista/cultura-comunicacao-e-cidadania/


Entrevista a Leonardo Brant: A relação entre cultura, empresas e crise econômica
Fotos


















Entrevista com Zygmunt Bauman em Leeds, Inglaterra, 2011, com Fernando Schuler


Trecho de entrevista exclusiva com o neurocientista português António Damásio. Porto Alegre, 2013.
CPFL Cultura e Fronteiras do Pensamento


Com o sociólogo Zygmunt Bauman em sua casa, Leeds, norte da Inglaterra, 2011.
Entrevista exclusiva com Fernando Schuler para a CPFL Cultura e o Seminário Fronteiras do Pensamento

Depoimento sobre o Procultura. CEMEC 2013